Quarta-feira, 07.07.10

As esperanças desiludem

 

Modo off.
Desligo do mundo, parto para outra, sigo as minhas vontades e vivo ao sabor do vento. Não me importa se é tarde ou se é cedo, não me importa o que fazer amanhã, porque ainda tenho algumas horas do dia de hoje.
Desligo do mundo, parto para outra, não quero saber de escola, de pessoas, de stress e confusões. Não me importa que o autocarro esteja atrasado e que o teste esteja à porta.
Desligo do mundo, parto para outra, acabaram-se os trabalhos e os testes. Não me importa mais nada, só o sol, o mar, e aquelas pessoas que tiveram de ficar um pouco mais ausentes nas alturas críticas em que me enfiava em casa e estudar.
Desligo do mundo, parto para outra, porque as cadeiras estão todas feitas e só falta saber uma nota. Não me importa que seja só uma porque tenho esperanças, a esperança é forte de que as férias já chegaram.
Desligo do mundo, volto atrás. As esperanças desiludem-nos e a nota vem para nos estragar os planos.
Quando a motivação é pouca, a vontade inexistente, a cabeça já não trabalha, o corpo não reage, o que fazer?

 

Segunda-feira, 14.06.10

Porras de uma vida

 

Os 20 já chegaram há algum tempo e, sim, sinto-me diferente.
Já não me sinto tanto uma menina grande que reclama com a vida e que nunca está satisfeita com nada. Já não venho para aqui contar como foi ontem, anteontem e como espero que o dia corra amanhã. A minha vida mudou, agora vejo tudo de maneira diferente. Vejo o passado de maneira diferente, tal como vejo o futuro. Vejo o curso, a faculdade, as amizades, os fins de semana e o mundo de maneira diferente. Agora tenho certezas de umas coisas e tremo de inseguranças por outras. Parece que afinal, já não existem facilitismos, já não nos podemos encostar àquela coluna fantástica do terraço da faculdade a fumar cigarros e a ter momentos de total diarreia cerebral. Agora já não podemos deixar as coisas para fazer no dia seguinte porque, agora, ficamos até às 03.00 da manhã a fazer trabalhos e a estudar para testes, quando podíamos ter feito os trabalhos antes e assim tínhamos tempo para estudar para os ditos testes. E se passássemos nos testes, tínhamos tempo para sair, ou para estar na ronha até às 14.00 a fazer zapping na televisão.
Agora, assumo que cometi um dos maiores erros de sempre. E estou a viver com isso.
Irritada. Possessa. Deprimida.
E invejosa, invejosa dele que está no Sul, que passou 45 minutos comigo da última vez, e que foi para festivais e beber copos nos bares das praias do Alentejo. Amuada por estar-se nas tintas. E acima de tudo chateada comigo por ser infantil e birrenta.
Há dias em que me enervo. Esses dias são óptimos para pôr a escrita em dia.

 

Terça-feira, 16.03.10

Somente para fazer uma pausa na nossa música

Desaparecida, eu sei.
Os ensaios começaram Segunda, prolongaram-se para Terça e devem ficar em stanby só depois de Quarta. Tocar com eles não se consegue descrever. A amizade, a música, a cumplicidade, os olhares e os sorrisos trocados em palco, a transmissão de pensamentos de uns para os outros durante as músicas. Preparados, ou não, para 3 ou 4 dias sem parar. Cantar até que as vozes nos doam. Sorrir até que as ficar com dores nas bochechas. Abraços, apertos de mão. Reconhecimentos pelo esforço. Agradecimentos de todos, para todos.

Cantar e encantar Coimbra durante dois dias.

E depois quem sabe mais dois em Viseu.

Isto para dizer que espero estar viva quando voltar a casa, porque "Quanto mais bebo melhor canto."

 

Anne Marie

C'est l'histoire de ma vie, racontée dans des mots qui sont le sommeil en vrac

É a história da minha vida, contada em palavras que fazem adormecer

aujourd'hui, je

mail

m.mariamica@sapo.pt

vieux

amis

visiteurs

blogs SAPO